Projeto resgata jovens e identifica talentos em Matriz

Grupo se reúne pra discutir as apresentações deste domingo (Fotos: Severino Carvalho)
Grupo se reúne pra discutir as apresentações deste domingo (Fotos: Severino Carvalho)

Facilitadora cultural do programa Projovem, da Secretaria Municipal de Ação Social de Matriz do Camaragibe, Leone Manoel da Silva perdeu muitos de seus alunos para a violência. A cidade, conhecida como “Princesa do Norte”, passou a ser chamada morbidamente de “Princesa da Morte”, por causa dos altos índices de criminalidade, relacionados, sobretudo, a jovens e adolescentes.

Para livrá-los do descaminho e abrir novos horizontes, ela criou, em março deste ano, o projeto “Artistas da Nossa Terra”, que congrega 115 participantes, entre adolescentes e jovens. Leone dividiu a cidade de Matriz, uma das maiores da região Norte do Estado, em cinco áreas e catalogou os talentos juvenis em cada uma delas para formar grupos de dança, de teatro, de música. São joias que começam a ser lapidadas para brilhar.

“O objetivo do projeto é elevar a autoestima desses jovens e adolescentes que estão em risco social. É mostrar que aqui em Matriz existem muitos talentos escondidos. Trabalho no município há cinco anos e já perdi muitos alunos, assassinados pelo tráfico de drogas. Quero mudar essa realidade através da arte”, descreveu a entusiasmada Leone, que mora em Maceió e semanalmente se desloca a Matriz para interagir com a garotada.

Para cada um dos cinco grupos existes uma coordenação fica responsável por pinçar talentos no centro da cidade (dividido em duas áreas), no conjunto Cícero Cavalcante, na Campanha e Fusal. Foram catalogados 17 grupos artísticos, dentre os quais hip hop, dança afro, coco-de-roda, teatro, dentre outros.

O resultado dessa miscelânea de talentos pode ser conferido hoje com o lançamento oficial do projeto, no Pátio do Mercado, no centro da cidade, a partir das 17 horas. A apresentação da banda Nação Palmares encerra o evento aberto ao público.

Mudança de rumos

Leone dirige o projeto
A facilitadora Leone dirige o projeto Artistas da Nossa Terra

Marcela (nome fictício), 19 anos, conheceu o projeto Artistas da Nossa Terra num dos momentos mais difíceis da vida dela. Há quatro meses, foi raptada por dois homens em um carro não identificado. Levada para um canavial, ela foi estuprada.

Marcela passou por atendimento psicológico, mas permanecia em casa, retraída, ainda abalada com o que aconteceu.

“Foi quando a Leone me convidou e eu passei a integrar o grupo de teatro. O projeto me ajudou e continua me ajudando. Aqui, fiz novas amizades e estou reconstruindo a minha vida”, confessou Marcela.

Maurício Roberval Santos da Silva tem 18 anos e desde os 10 já juntava papel e caneta para compor suas canções.

“Eu não escolhi o rap, foi o rap que me escolheu”, afirmou Mc Mau Mau, como se apresenta o rapper.

Com o passar dos anos, ele foi desenvolvendo o gosto pelos temas sociais e direcionou sua verve a cantar as agruras da comunidade em que vive e os conflitos desta conturbada fase da vida: a juventude.

“Como eu e você, somos iguais /  A minha vitória é querer ver você mais / Com a minha vida e meu cotidiano, eu consigo mudar o meu rumo e os meus planos / Mas como eu luto com a verdade para mostrar que rap também é arte / E pode mudar nossa sociedade” (Minha Vida e Minha Verdade – Mc Mau Mau)

Mc Mau Mau revela que no início foi mal compreendido pela família e que ainda hoje é visto com certo preconceito pela comunidade.

“Alguns falam que rap é coisa de maloqueiro. Mas o rap é como qualquer outra manifestação artística”, enfatizou Maurício, cara de mau, mas o coração de menino. Ele pretende seguir carreira, inspirado em rappers como Emicida e Projota.

Para a dançarina Ketna Dayane dos Santos, 20, o projeto se converteu no espaço que faltava para que jovens e adolescentes desfilem seus talentos; funciona também como uma escola, um espaço para o aprendizado das artes e manutenção das manifestações culturais.

“Essa era a iniciativa que estava faltando nesta cidade”, enfatizou Ketna. “A gente tem um grupo de hip hop e nos foi lançado o desafio de fazer o coco-de-roda. Em dois dias, ensaiamos seis músicas e estamos prontos”, comemora Ketna.

Programação

  • Abertura às 17:00h com o grupo Flash Mob
  • Grupo Escola Brasil Capoeira e Maculelê
  • Teatro infantil (peça: Direito da criança)
  • Coco de roda
  • Grupo de dança Inspiração Break Crew
  • Rapper Maurício/Mc Mau Mau
  • Dueto Black Charm
  • Grupo de dança hip hop People in Transe
  • Grupo de dança Explosão Mix
  • Apresentação Afro Nyemba
  • Encerramento às 21:00h com a banda Nação Palmares

Serviço:

Projeto Artistas da Nossa Terra

Mais informações: 82-8853-5865 / 82-9692.0605 / 82-8127.1442 / 82-9366.5179

E-mail: leonemanoeldasilva@hotmail.com

4 thoughts on “Projeto resgata jovens e identifica talentos em Matriz

  1. Parabéns! E este projeto deve ser mais divulgado em nossa cidade, acredito que tem adolescentes e jovens que queiram participar, mas por falta de uma divulgação maior estão de fora. Projetos como estes ajudam e muito em vários aspectos a vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *