Secretário e vereador denunciam ex-prefeito de Maragogi por crime de ameaça

Acompanhados do procurador e de advogado, irmãos prestam queixa na delegacia de Maragogi (Foto: Carlos Rosa)
Acompanhados do procurador e do advogado Renato Scalco, irmãos prestam queixa na delegacia de Maragogi (Foto: Carlos Rosa)

O delegado de Maragogi, Ayrton Soares Prazeres, instaurou Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) em desfavor do ex-prefeito do município, Marcos José Dias Viana, o “Marcos Madeira”. Ele é acusado de ameaçar o secretário municipal de Meio Ambiente, Gabriel Vasconcelos, e o irmão deste, o vereador recém-empossado Daniel Vasconcelos (PSC).

Acompanhados do advogado Renato Scalco e do procurador do município, Arlindo Ramos, os irmãos prestaram queixa na terça-feira (3) ao delegado de Maragogi. Relataram que foram ameaçados de morte, na noite do dia anterior, por meio de ligação telefônica, pelo ex-prefeito, que estaria insatisfeito com as medidas adotadas pelo secretário de Meio Ambiente.

Gabriel Vasconcelos, ao assumir o cargo, disse que cassou onze alvarás de empresas que exploram serviços nas piscinas naturais de Maragogi, concedidos pelo então prefeito Henrique Peixoto (PSD), primo de Madeira, e que deixou o cargo em 31 de dezembro, após o mandato de quatro anos.

“Esses alvarás foram concedidos de forma irregular, indo de encontro ao TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) que proibia a expedição de novos alvarás até a regulamentação da Lei do Transporte Aquaviário, o que ainda não aconteceu. Eu só fiz cumprir a decisão do Tribunal de Justiça, que determinou o cancelamento dos alvarás e a validação do TAC”, explicou Gabriel Vasconcelos.

Segundo o secretário, Madeira teria ficado insatisfeito porque as pessoas que tiveram os alvarás cancelados são ligadas ao grupo político do ex-prefeito. As ameaças teriam sido feitas por telefone e parte delas foi gravada pelos irmãos, que vão entregá-las ao delegado.

Ayrton Soares informou que o prefeito foi ouvido no início da noite de terça-feira (3). Outras duas testemunhas de acusação também serão apresentadas e ouvidas pelo delegado.

Indignado

O ex-prefeito negou as ameaças. Ele disse que ficou indignado com o cassação dos alvarás e que, apenas, “desabafou”, mas que, no dia seguinte, enviou mensagem com pedido de desculpas e também ligou para Elba Vasconcelos, ex-vereadora e mãe de Daniel e Gabriel, para também se desculpar.

“Fiquei muito indignado e desabafei por conta dessa perseguição com o nosso pessoal. Se esses receptivos pararem, vão desempregar mais de 200 pessoas. Esses estabelecimentos não estão atrapalhando os outros em nada. Fui gestor por vários anos e nunca persegui ninguém, inclusive fui eu quem lutei para que o prefeito Henrique concedesse o alvará a ela (Elba Vasconcelos). Eu sou incapaz de fazer qualquer maldade com quem quer que seja. Sou um homem de Deus”, disse Madeira, à GazetaWebMaragogi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *