Maragogi pretende reforçar campanha contra o trabalho infantil

Além de incentivar o trabalho infantil a compra prejudica desenvolvimento de árvores (Foto: Divulgação)
Além de incentivar o trabalho infantil a compra prejudica desenvolvimento de árvores (Foto: Divulgação)

É comum ver, na orla de Maragogi, crianças fazendo artesanato com palhas de coqueiro ou cerâmica para encantar os turistas e conseguir trocados. Essa prática, tid

as muitas vezes como algo comum pelos turistas, é um estímulo ao trabalho infantil, proibido pelo artigo 403 da Lei 10.097, de 19 de dezembro de 2000.

No final do ano passado, a Prefeitura Municipal de Maragogi promoveu uma campanha em “Defesa da Criança e do Adolescente”, numa parceria entre as Secretarias de Turismo, Assistência Social, Meio Ambiente e o Conselho tutelar. A iniciativa buscou acabar com os malefícios causados pelo trabalho infantil, incentivando a não comercialização de produtos oferecidos por crianças e adolescentes na orla da cidade e praias nos distritos e povoados vizinhos.

A campanha surtiu efeitos consideráveis, mais só durante um pequeno período de tempo, como explica a Secretária de Turismo de Maragogi, Mariana Gorenstein. “Quando lançamos a campanha no ano passado, ficou definido em Assembléia que haveria, durante três meses, uma fiscalização massiva na orla de Maragogi, numa ação que envolveu profissionais da Guarda Municipal, Polícia Militar e o Conselho Tutelar. O problema é que depois deste período as crianças preferiram voltar para o trabalho”, disse Mariana.

Secretaria afirma que o turista é o maior incentivador da atividade (Foto: Erick Balbino)
Secretaria afirma que o turista é o maior incentivador da atividade (Foto: Erick Balbino)

Segundo informações colhidas pela Gazetaweb Maragogi, a Secretaria de Turismo está rearticulando esta campanha de forma muito mais intensa, unindo forças também com o Ministério do Trabalho de Alagoas.

REALIDADE

A advogada e professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Dra. Ana Paula Mota Costa, trabalha diariamente com o combate ao Trabalho Infantil. Segundo ela, a questão é prejudicial não só no desenvolvimento dessas crianças, mas também porque acaba reproduzindo uma realidade social de bastante estratificação e desigualdade.  “Dados apontam que quanto mais cedo se trabalha, mai cedo se sai da escola. Trabalhar nessa luta não é tarefa fácil, principalmente por estar enraizado na nossa cultura”, disse.

A maioria das crianças que vende esse tipo de material na orla de Maragogi não frequenta às aulas, segundo a Secretaria de Desenvolvimento Humano e Assistência Social. Os menores também ficam expostos a todo tipo de perigo.

Os pequenos artesãos, correm risco de vida na execução de trabalhos com a palha de coqueiro, por exemplo, pois tem a necessidade de subir nas partes mais altas da árvore para buscar a matéria prima. Além disso, a campanha visa preservar o meio ambiente, uma vez que esse tipo de artesanato é confeccionado com a palha ainda nova. A retirada desse material prejudica o desenvolvimento da árvore.

2 thoughts on “Maragogi pretende reforçar campanha contra o trabalho infantil

  1. É muita demagogia essas Secretarias querer mostrar serviços em cima dos pobres que trabalham, mas a mídia esta cheia de crianças sendo exploradas pelos pais que fingem não precisar, atualmente o garoto Cirilo fechou um contrato de R$ 4.500.000,00 com o SBT e ai esse dinheiro vai ficar mesmo pra ele ou para os pais dele e do empresário que não estão exsplorando essa criança. Parem de demagogia. Para os ricos a lei para os pobres o rigor da lei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *