Focos de incêndio atingem lixão de Porto Calvo

Lixão de Porto Calvo queima desde a noite de quarta-feira, 26 (Fotos: Severino Carvalho)
Lixão de Porto Calvo queima desde a noite de quarta-feira, 25 (Fotos: Severino Carvalho)

Diversos focos de incêndio atingem o lixão de Porto Calvo, na região Norte de Alagoas. O fogo começou na noite de quarta-feira (25) e se espalhou rapidamente nessa manhã. A fumaça tóxica produzida pela combustão invade a rodovia AL-465, mas não intimida os catadores, inclusive crianças, flagradas recolhendo os entulhos.

O lixão de Porto Calvo encontra-se saturado. O fogo põe em risco um remanescente de Mata Atlântica que fica no entorno da área onde se acumulam os resíduos sólidos. A vegetação nativa já foi atingida outras vezes quando da ocorrência de incêndios semelhantes.

Na semana passada, a GazetaWebMaragogi.com mostrou que a montanha de entulho já invadia o acostamento da rodovia estadual e impedia o acesso das caçambas ao interior do lixão.

A Secretaria Municipal de Infraestrutura acionou um trator de esteira que faz, desde a semana passada, a compactação do material com objetivo de acomodar o grande volume de lixo. Na manhã desta quinta-feira (26), a máquina permanecia executando o serviço de compactação, apesar da fumaça que se levantava da montanha de lixo e dos diversos focos de incêndio.

Ao menos dez pessoas catavam materiais para reciclagem, dentre elas, duas crianças. Com a aproximação da reportagem, elas se esconderam por trás dos entulhos. O secretário municipal de Infraestrutura, Alexandre Scala, disse que os focos de incêndio foram provocados pela combustão espontânea do lixo acumulado.

Criança tenta se esconder por trás das sacolas de lixo
Criança tenta se esconder por trás das sacolas de lixo com a chegada da reportagem

Ele afirmou que vai pedir para que a equipe que realiza a compactação do material fique atenta para não deixar o fogo sair do controle e atingir outras áreas. Sobre a presença de crianças, o secretário garantiu que vai acionar a Secretaria Municipal de Assistência Social e o Conselho Tutelar dos Direitos da Criança e do Adolescente para que realizem uma inspeção no lixão de Porto Calvo.

Scala afirmou, ainda, que os impactos ambientais e sociais gerados pelo lixão de Porto Calvo só serão eliminados com a construção de um aterro sanitário, conforme estabelece a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Projeto com esta finalidade está sendo elaborado pelo Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento da Região Norte de Alagoas (Conorte/AL), que reúne 12 municípios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *