Dupla presa em protesto paga fiança e é solta

xxxx
Paulo Sérgio (E) se identificou como empresário e Gustavo (D) como montador (Fotos: Severino Carvalho)

Os pernambucanos Paulo Sérgio Barbosa de Oliveira, 21 anos, e Gustavo Nadaby Messias Fragoso, 22, foram postos em liberdade na manhã desta quarta-feira, após pagamento de fiança de dois salários mínimos cada um. A dupla havia sido presa no dia anterior por uma guarnição do Pelotão de Operações Especiais (Pelopes) durante um protesto que resultou no fechamento da AL-105, em Matriz do Camaragibe.

Com os acusados, os policiais aprenderam dois revólveres da marca Rossi (calibres 22 e 38), munições e uma arma de brinquedo. Eles foram autuados em flagrante pelo delegado regional, Belmiro Cavalcante, pelo crime de porte ilegal de arma de fogo. Vão responder em liberdade.

Os moradores de Matriz do Camaragibe interditaram a AL-105 para cobrar a instalação de quebra-molas, depois de um acidente fatal naquela rodovia, que vitimou uma adolescente de 13 anos. Por causa do bloqueio de pista, Paulo Sérgio e Gustavo Nadaby ficaram impedidos de seguir viagem entre Recife e Maceió, quando foram abordados por uma guarnição do Pelopes. Os policiais receberam uma denúncia de que a dupla estaria armada. A suspeita se confirmou e eles foram detidos.

Armas e outros objetos apreendidos em posse da dupla
Armas e outros objetos apreendidos em posse da dupla

Paulo Sérgio e Gustavo Nadaby foram conduzidos à delegacia regional de Polícia Civil onde foi lavrado o flagrante. Os acusados estavam no veículo Gol de placa KMA-8668/PE, que ficou apreendido. Hoje pela manhã, eles foram colocados em liberdade, após o pagamento de fiança.

Gustavo se identificou como montador de elevadores e escadas rolantes. Disse que trabalha para a empresa de Paulo Sérgio. Ele alegou que portava a arma de fogo para se proteger durante suas viagens. “O revólver 38 é meu. Trabalho viajando”, justificou Gustavo. A outra arma pertenceria a Paulo Sérgio. A Polícia Civil informou que os dois não possuem antecedentes criminais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *