GPM de Porto de Pedras reabre com ajuda de doações

GPM de Porto de Pedras volta a funcionar depois da tragédia que abalou a cidade (Foto: Severino Carvalho)
GPM de Porto de Pedras volta a funcionar depois da tragédia que abalou a cidade (Foto: Severino Carvalho)

Dois meses e 15 dias depois, enfim, o Grupamento de Polícia Militar (GPM) de Porto de Pedras reabre as portas. O posto estava fechado desde o dia 9 de dezembro do ano passado, quando da morte do soldado Ivaldo Oliveira da Silva, 31 anos, arrancado de dentro da unidade e abatido a tiros por assaltantes em praça pública.

O prédio onde funciona o GPM é alugado pelo município de Porto de Pedras. Segundo a prefeita Camila Farias (PSC) a reforma foi possível graças a doações de comerciantes locais e à mão-de-obra cedida pela gestão municipal.

“O mais importante é que  a polícia voltou para a cidade. Antes o policiamento estava concentrado em São Miguel dos Milagres. Quero dizer que estamos à disposição do comando do 6° Batalhão (6°BPM) que, em tempo recorde, conseguiu restabelecer o policiamento em nossa cidade”, disse Camila Farias.

Camilas Farias, secretários municipais e o comandante do 6° BPM, tenente-coronel José Carlos Duarte de Andrade,  participaram, nesta manhã, da solenidade de reabertura  do GPM. Segundo o oficial, a unidade vai contar, diariamente, com três policiais e uma viatura. Antes eram dois militares de serviço.

“A viatura é reserva, mas uma nova chega em 40 dias. Vamos resolver também o problema de comunicação, disponibilizando, até a próxima semana, um telefone celular com créditos para o GPM. A linha de telefonia fixa existente também será reativada junto com a operadora”, prometeu o tenente-coronel.

O prédio do GPM de Porto de Pedras recebeu nova pintura, retelhamento e melhorias nas instalações elétricas e hidráulicas. Principal reivindicação da tropa, grades de ferro foram instaladas nas portas e janelas do imóvel. O objetivo é reforçar a segurança da unidade, invadida pelos assaltantes em dezembro do ano passado, de onde roubaram armas e coletes.

Desde a fatídica madrugada do dia 9 de dezembro de 2013 que o efetivo do GPM de Porto de Pedras estava alocado na unidade de São Miguel dos Milagres, cidade vizinha. Com medo de novos ataques, os policiais se recusavam a voltar ao GPM, antes que a reforma e o reforço na estrutura fossem promovidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *