Reunião vai discutir pendências em estradas

Agricultores reclamam que DER deixou pendências nas obras de melhoramento das estradas vicinais (Foto: Carlos Rosa / Gazeta de Alagoas)
Agricultores reclamam que DER deixou pendências nas obras de melhoramento das estradas vicinais (Foto: Carlos Rosa / Gazeta de Alagoas)

Ficou para a próxima segunda-feira (01) a reunião entre o diretor-presidente do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), João Maciel, e representantes da Comissão Pastoral da Terra (CPT). No encontro, eles pretendem discutir as pendências deixadas pelas obras de melhoramento das estradas vicinais que cortam assentamentos da reforma agrária em São Miguel dos Milagres e Porto de Pedra, no Litoral Norte do Estado.

Os agricultores reivindicam, principalmente, a aplicação de piçarra (cascalho) sobre as estradas. Para evitar que as máquinas de uma empresa contratada pelo DER para promover a melhoria das estradas vicinais fossem recolhidas com o fim das obras, os trabalhadores rurais apreenderam os equipamentos e ameaçam incendiá-los, caso o Departamento estadual não atenda a reivindicação.

“Se a gente não tiver uma resposta do DER, o povo vai incendiar as máquinas”, ameaçou o trabalhador rural José Feliciano, mais conhecido como “Saúba”, em entrevista ao jornal Gazeta de Alagoas, edição desta sexta-feira.

Saúba mora no Assentamento Quilombo dos Palmares, em São Miguel dos Milagres. Segundo ele, na quinta-feira (28), estava prevista uma visita de técnicos do DER à região, o que não aconteceu.

O DER informou que as obras de melhorias já foram concluídas e, sobre as estradas, aplicado revestimento primário, ao invés de piçarra, uma mistura de pedra, areia e terra. Por meio da assessoria de imprensa, o DER informou que o diretor espera que os equipamentos sejam liberados e que os agricultores compareçam à sede do órgão para dialogar. De acordo com ele, a reunião foi agendada para as 9 horas desta sexta-feira, mas os representantes da CPT não compareceram.

“Houve um zum-zum-zum de que as máquinas seriam recolhidas pela empresa e mandadas embora porque a obra teria sido concluída, por isso foram apreendidas. Queremos que essa situação seja resolvida porque já são sete anos de promessas do governo do Estado. Queremos abrir um canal de diálogo”, declarou o coordenador estadual da CPT, Carlos Lima.

Ele, entretanto, disse desconhecer a ameaça feita pelos trabalhadores de incendiar as máquinas. “Não estou em Alagoas, por isso não sei dessas ameaças”, acrescentou Lima. Morador do Assentamento Jubileu 2000, em São Miguel dos Milagres, o agricultor Ailton Gomes da Silva relatou que, sem a aplicação de piçarra, fica impossível o tráfego de veículos nas estradas vicinais em dias de chuva.

Segundo ele, esta semana, os ônibus escolares não conseguiram chegar aos assentamentos Quilombo dos Palmares e Jubileu 2000, ambos em São Miguel dos Milagres. De acordo com Gomes, a situação é ainda pior no Assentamento Lucena, em Porto de Pedras, que não foi beneficiado pelas obras do DER.

Máquinas foram apreendidas e agricultores ameaçam incendia-las (Foto: Severino Carvalho)
Máquinas foram apreendidas e agricultores ameaçam incendiá-las (Foto: Severino Carvalho)

Lama

A reportagem esteve esta semana no Assentamento Jubileu e pôde comprovar as denúncias feitas pelos trabalhadores rurais. O carro não conseguiu chegar ao Assentamento Quilombo dos Palmares porque a pista estava muito escorregadia e tomada pela lama.

“Não queremos esse tipo de coisa (incendiar as máquinas). O que queremos são nossas estradas prontas”, enfatizou Gomes. Segundo o agricultor, os assentados apreenderam quatro máquinas: um rolo compactador, uma patrol, uma carregadeira e uma retroescavadeira.

Não foi a primeira vez que os assentados apreenderam máquinas para protestar. Em 2010, eles recolheram uma patrol do DER e ameaçaram incendiá-la para reivindicar a melhoria das estradas vicinais. “É uma luta antiga”, lembrou a irmã Cícera Menezes, como é conhecida outra liderança da CPT em Alagoas.

One thought on “Reunião vai discutir pendências em estradas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *