Presos tentam escapar da delegacia regional de Matriz

Cela foi interditada e recebeu os reparos de um pedreiro (Fotos: Severino Carvalho)
Cela foi interditada e recebeu os reparos de um pedreiro (Fotos: Severino Carvalho)

Policiais civis abortaram, no domingo (07), mais uma tentativa de fuga na 8ª Delegacia Regional de Polícia Civil (8ª DRPC), em Matriz do Camaragibe, região Norte do Estado. Os presos arrombaram o cadeado da cela de número quatro, que estava fechada para reparos. Eles estavam cavando um buraco na parede, quando foram notados.

Os agentes, com o auxílio do Pelotão de Operações Especiais (Pelopes), fizeram uma vistoria na carceragem e apreenderam quatro espetos metálicos artesanais (chunchos) e parte de uma grade usados para perfurar a parede.

A tentativa de fuga ocorria durante o plantão dos policiais da delegacia de Porto Calvo, chefiados pelo delegado Rubens Cerqueira, o “Caximbal”. Ele pediu apoio ao 6° Batalhão de Polícia Militar (6° BPM), em Maragogi, que despachou para Matriz do Camaragibe uma unidade do Pelopes.

Após a descoberta do plano de fuga, houve um princípio de rebelião e os policiais do Pelopes tiveram de usar bombas de efeito moral para forçar os detentos, que estavam no pátio, a se recolherem às celas. Como mostrou o jornal Gazeta de Alagoas na edição do último domingo, a carceragem da 8ª DRPC está superlotada com 30 presos, onde só caberiam 20, já que uma das seis celas encontra-se interditada.

Na manhã desta segunda-feira, um pedreiro da prefeitura municipal iniciou os reparos na parede escavacada pelos presos. O delegado regional substituto, Ailton Prazeres, informou que já havia pedido, na última sexta-feira, a transferência dos detentos ao sistema prisional. Ele enfatizou que nesta terça encaminhará novo ofício à juíza da Comarca, Soraya Maranhão, reforçando a necessidade de se realizar a transferência dos presos ou de parte deles.

Barril de pólvora

Material apreendido durante inspeção feita pela PM e Polícia Civil
Material apreendido durante inspeção feita pela PM e Polícia Civil

Em maio, 31 detentos da 8ª DRPC iniciaram um princípio de rebelião em decorrência da escassez de alimentos e das instalações insalubres das celas. Com um número cada vez maior de presos, não há comida suficiente para toda a população carcerária que já chegou a 58 indivíduos enclausurados.

A revolta foi canalizada para a montagem de planos de fuga. A primeira tentativa registrada esse ano foi abortada. Dezoito metros de corda feita de tecido, conhecida popularmente como “tereza”; três chunchos e quatro cabos de vassoura foram apreendidos pelos agentes. O material seria usado numa tentativa de fuga, que acabou abortada pelos policiais plantonistas da delegacia de Maragogi, em maio passado.

No mês seguinte, as fugas se consumariam. A primeira ocorreu no dia 10, quando cinco presos escaparam pela grade que fecha o teto do pátio central, onde acontece o banho de sol. As terezas foram utilizadas mais uma vez para a escalada e, com o auxílio dos cabos de vassoura, eles afastaram os canos de ferro instalados na cobertura. Cinco dias depois, mais dois detentos fugiriam da delegacia regional de Matriz, da mesma forma que o grupo anterior escapara.

2 thoughts on “Presos tentam escapar da delegacia regional de Matriz

    1. Ronaldo, a OBRIGAÇÃO de reformar delegacias é do ESTADO DE ALAGOAS e não do MUNICÍPIO. Antes de criticar, se instrua um pouco. Não sei nem quem é o prefeito de tal cidade, mas sei bem quem é o governador do nosso estado. Põe mais essa na conta dele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *