Moradores de Porto Calvo reclamam da qualidade da água

Coloração barrenta da água distribuída em Porto Calvo preocupa moradores (Foto: Severino Carvalho)
Coloração barrenta da água distribuída em Porto Calvo preocupa moradores (Foto: Severino Carvalho)

A qualidade da água consumida pela população de Porto Calvo voltou a ser alvo de críticas esta semana. O líquido que sai das torneiras tem coloração barrenta. Os moradores cobram providências à prefeitura municipal, administradora do sistema público de abastecimento. Eles reclamam da ocorrência de doenças como micoses e diarreias. Reportagem da Gazeta de Alagoas, edição desta sexta-feira (30), denunciou o problema.

“Do jeito que a água vem do rio parece que está sendo distribuída para a população, sem nenhum tratamento. O povo reclama de dores de cabeça, febre, diarreia e doenças de pele. A gente não usa essa água para beber, mas acaba ingerindo quando vai escovar os dentes, tomar banho”, denunciou a professora Rosa Maria da Silva.

O problema afeta todos os bairros da cidade que são abastecidos pelo sistema municipal. “Meu menino e meu bebê estão com carocinhos na pele devido a essa água podre”, reclamou uma moradora do centro da cidade, que pediu para não ser identificada.

O sistema que abastece Porto Calvo é precário, apesar dos investimentos feitos pelo governo federal. Recursos da ordem de meio milhão de reais foram disponibilizados em 2006, através da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), para obras de melhoramento da estação de captação e tratamento, mas as medidas não surtiram efeito.

O sistema não consegue deixar o líquido captado do barrento rio Tapamondé dentro dos padrões de potabilidade. O problema é antigo e a solução teima em não chegar. Em agosto de 2012, o Ministério Público recomendou que a prefeitura suspendesse o fornecimento de água à população em função de o líquido se encontrar com alto índice de coliformes fecais, atestado por laudos produzidos, à época, pelo Laboratório Central de Saúde Pública de Alagoas (Lacen).

Naquele ano, a Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) se mostrou disposta a reassumir o sistema, municipalizado na década de 1990, mas as negociações com a prefeitura não avançaram. Há anos, os bairros da cidade são submetidos ao sistema de rodízio.

“Tem água um dia sim, outro, não. E é desse jeito: parecendo com suco de maracujá”, lamentou uma comerciante, que acumula o líquido em recipientes para não deixar o estabelecimento completamente desabastecido.

A precariedade no sistema de abastecimento faz aumentar a venda de garrafões de água potável no município, mas também floresceu o comércio clandestino do líquido, captado em fontes de qualidade duvidosa e envasado de forma artesanal, fora dos padrões sanitários.

O secretário municipal de Infraestrutura, Alexandre Scala, garantiu que exames fisioquímicos e bacteriológicos realizados recentemente atestam a qualidade da água distribuída pelo sistema à população de Porto Calvo. Segundo ele, a coloração barrenta acontece em virtude das chuvas de verão e do serviço de manutenção que está sendo feito na estação de captação e tratamento. “Dentro de 48 horas, a coloração da água voltará ao normal”, afirmou Scala.

One thought on “Moradores de Porto Calvo reclamam da qualidade da água

  1. A qualidade da água daqui d Porto Calvo é d péssima qualidade, queria ver esse secretário beber dessa água ou pelo menos tomar banho c/ela, ops.: ele ñ mora aqui, então ñ sabe como está nossa água!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *