Ifal e Sebrae incentivam turismo de vivência

Reunião entre professores do Ifal e consultoras do Sebrae antecedeu assinatura de convênio (Foto: divulgação)
Reunião entre professores do Ifal e consultoras do Sebrae antecedeu assinatura de convênio (Foto: divulgação)

O Serviço de Apoio às Mirco e Pequenas Empresas de Alagoas (Sebrae/AL) e o Instituto Federal de Alagoas (Ifal), Campus Maragogi, firmaram, esta semana, convênio para levar capacitação às artesãs que integram a Associação Mulheres de Fibra, instalada no Assentamento Água Fria, a 17 km do centro da cidade. O objetivo da parceria, oficializada por meio da assinatura de termo de adesão, é criar condições para que se desenvolva naquele núcleo rural da reforma agrária o chamado turismo de vivência.

“Com o Projeto Turismo de Vivência, o Ifal cumpre com o seu papel de interagir com a comunidade. Ao invés das artesãs virem até a nossa sede, vamos levar nossos professores até lá para capacitá-las”, disse o diretor-geral do Campus Maragogi, professor Dácio Camerino, em entrevista ao jornal Gazeta de Alagoas, edição deste sábado.

Para a assinatura do termo de adesão, estiveram em Maragogi as consultoras do Sebrae Perolina Lyra e Robéria Bandeira. Segundo a coordenadora de Extensão do Campus Maragogi, professora Mônica Spinelli, o curso de capacitação vai ser iniciado a partir do segundo semestre e terá duração de seis meses. De acordo com ela, a meta é qualificar as artesãs para que já na próxima temporada turística possam lançar mão dos conhecimentos adquiridos, elevando os ganhos e melhorando a qualidade dos produtos ofertados.

Serão ministrados cursos de noções básicas do turismo, como atender bem o turista de vivência, boas práticas na segurança alimentar, dentre outros. “No turismo de vivência, a proposta é que o visitante fique algumas horas no assentamento e possa, por exemplo, viver o artesanato ali praticado, desenvolvendo as peças junto com as artesãs”, explicou Mônica, que é professora de Sociologia.

fibra
Artesã borda com a fibra da bananeira (Foto: Severino Carvalho)

As capacitações serão promovidas por meio de parceria com o Sistema “S”, formado por organizações criadas pelos setores produtivos (indústria, comércio, agricultura, transportes e cooperativas), que oferece cursos gratuitos em áreas importantes da indústria e comércio.

A Associação Mulheres de Fibra surgiu em 2010, apoiada pelo Sebrae/AL. Como atividade complementar à agricultura familiar, as agricultoras do assentamento começaram a aprender técnicas do bordado utilizando o filé da fibra da bananeira.

Dentre os objetivos do Projeto Turismo de Vivência estão: a ampliação do fluxo turístico regional, o aumento do tempo de permanência do turista na região, a criação de mais oportunidades de negócios para a comunidade local e o desenvolvimento do turismo de vivência como alternativa socioeconômica e de preservação ambiental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *