Associação colhe dados para viabilizar sinalização

Trabalho foi coordenado por Roberto Buenos Aires (Foto: Ajambasa)
Trabalho de captação de dados geográficos foi coordenado por Roberto Buenos Aires (Foto: Ajambasa)

Integrantes da Associação dos Jangadeiros Artesanais do Município da Barra de Santo Antônio (AJAMBASA) realizaram o levantamento de dados que vão subsidiar a elaboração de um projeto de sinalização náutica. O trabalho foi coordenado pelo velejador Roberto Buenos Aires.

Na manhã de quarta-feira (10), eles embarcaram em direção à entrada da Barra, ponto considerado crítico pelos pescadores, que estão sem balizamento há mais de um ano, desde que as luzes de alerta das duas torres de telefonia móvel se apagaram e não foram repostas. Sem os pontos de referência, os pescadores enfrentam dificuldades para navegar à noite e regressar à terra firme.

O presidente da AJAMBASA, Ernando Pinto, relata que acidentes já foram registrados ali. Desorientados, os pescadores acabam colidindo as embarcações contra os bancos de arrecifes.

“O que fizemos foi colher coordenadas geográficas e o levantamento fotográfico dos pontos. Esses dados vão viabilizar o projeto de sinalização náutica da Barra. Isso vai conferir maior segurança aos pescadores durante a navegação”, explicou Roberto Buenos Aires.

Torres de telefonia móvel estão com luzes de alerta apagadas
Torres de telefonia móvel estão com luzes de alerta apagadas

De acordo com ele, os dados colhidos serão enviados a uma empresa com sede no Rio de Janeiro, responsável pela elaboração do projeto, que ficará pronto em dez dias. O objetivo é apresentá-lo aos associados com os devidos custos de instalação.

“Com o projeto pronto, vamos em busca dos recursos financeiros para garantir a execução”, afirmou Ernando Pinto.

A carência de sinalização também foi discutida durante reunião realizada no dia 6 de setembro, em que compareceram militares da Capitania dos Portos de Alagoas. Eles explicaram que o projeto precisa obedecer a normas estabelecidas pela Marinha do Brasil e se colocaram à disposição da AJAMBASA para auxiliar no que for necessário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *